Quicquid est inutilis est         

[Fazer o que seja é inútil.

João Cabral de Melo Neto

In: museum rerum omnium

[In: museu de tudo

 

 

Quicquid est inutilis est.

[Fazer o que seja é inútil.

Facere nihil inutilis est.

[não fazer nada é inútil.

Sed inter faciens et non faciens

[Mas entre fazer e não fazer

magis dignum est inutilis faciens.

[mais vale o inútil do fazer.

 

 

Non ita, facere ad oblivisci

[Mas não, fazer para esquecer

quod est inutile: noli oblivisci

[que é inútil: nunca o esquecer

sed facientes scientiam inutilem

[mas fazer o inútil sabendo

Vanus est sciens

[que ele é inútil, e bem sabendo

 

 

quod sensus non sentitur,

[que é inútil e que seu sentido

hoc enim difficilius

[não será sequer pressentido,

quod non ad facere, et

[fazer: porque ele é mais dificil

 

 

vix dixitque

[do que não fazer, e dificil-

cum magis fastidio, aut dixitque

[com mais desdém, ou então dizer

  directe ad lector nulli

[mais direto ao leitor Ninguém

  quod factum, tam erat nulli.

[que o feito o foi para ninguém.