Roberto Landell de Moura


Roberto Landell de Moura (1862- )

 
O anematófono:
Primeiro equipamento para transmissão de ondas Hertzianas (rádio)

 

A HISTÓRIA DO RÁDIO NO BRASIL

Muitas vezes uma invenção ou um desenvolvimento pioneiro é ofuscada por desenvolvimentos posteriores de maior sucesso comercial e os créditos da invenção são atribuídos a quem contribuiu de modo significativo para o largo uso da técnica. Não se trata apenas de discutir um problema de primazia. Um exemplo muito conhecido é o da Aviação (Irmãos Wright vs Santos Dumont). Outros exemplos incluem a invenção do Telefone (Grahan Bell vs Antonio Meucci) e mesmo a invenção do Rádio (Marconi vs Landell). Não se trata de diminuir os méritos daqueles considerados pela vasta maioria como os criadores.

O pioneiro Landell de Moura pode ser considerado como o primeiro inventor do telefone sem fio e o pai do Rádio. Nascido em 1862, em Porto Alegre, construiu seu primeiro transmissor em 1892. O padre gaúcho fez uma transmissão de voz por ondas Hertzianas da Avenida Paulista para Sant'Ana em 1894, num enlace de rádio de 8 km.

A propósito das experiências de Landell, a seguinte nota foi publicada no Jornal do Commercio São Paulo:

"No Domingo próximo passado, no alto de Sant'Anna, na cidade de São Paulo, o padre Roberto Landell de Moura fez uma experiência com vários aparelhos de sua invenção, no intuito de demonstrar algumas leis por ele descobertas no estudo da propagação do som, da luz e da eletricidade, através do espaço, da Terra e do elemento aquoso, as quais foram coroadas de brilhante êxito. Esses aparelhos, eminentemente práticos, são com tantos corolários, deduzidos das leis supracitadas. Assistiram a esta prova, entre outras pessoas, o Sr. P.C.P. Lupton, representante do Governo Britânico, e sua família".

Depois da experiência, registrou patente de suas invenções no Brasil e nos EUA. No Brasil, sua patente (no 3279) foi concedida em 1900. Nos Estados Unidos, o telefone sem fio, o telegrafo sem fio e o transmissor de ondas Hertzianas receberam patente em 1904.

A descrição pelo próprio Landell de seus equipamentos:

O anematófono- é um aparelho com o qual, sem fio, gera-se os efeitos da telefonia comum, porém com muito maior nitidez e segurança, visto que funciona ainda mesmo com vento e mau tempo (...)

O Teletition- espécie de telegrafia fonética, com o qual sem fio, duas pessoas podem se comunicar, sem que seja ouvidas por outra. Creio que com este meu sistema poder-se-á transmitir, a grandes distâncias e com muita economia, a energia elétrica, sem que seja preciso usar-se fio ou cabo condutor.

Em 1905, o Presidente Rodrigues Alves nega ao padre Landell a oportunidade de comprovar a comunicação telegráfica entre navios em alto mar. Acreditava, diz-se, que o padre era louco. Na década de 80, alunos de Engenharia remontaram o anematófono como descrito por Landell. E ele funcionou com sucesso.

 

 

 

| Página inicial | DES UFPE |