Postquam partis
Olav Bilaspur (Paliurus in ignis) MDCCCLXXXVIII.

(accommodatio: H.M. de Oliveira)

postquam partis, quiescit.
movet concussor vbique color ebur.
quod odorem plectere suum
lubido spargit!

et videns eam thalamos
taciturni donec igitur
videntibus, et excutit, evigilabit,
et celebratione factum est, et delirium.

effuso vestimenta. Et primo in tunicam.
subtrahit, et in cæstus.
ornamentum auferte, ad balneum,
ex luce color, lapidis balneo.

Et margaritis
de ultimis finibus et adamantibus,
micare in crinibus
tamquam coruscantem stellas.

per caulas monilia.
et monilibus,
tenuis armillas, sicut serpens
mordens arma divina.

per coronam a floribus
in volitans sericis,
hac murmur et varii coloris
imitantia vividæ colores iridis.

- In inquieta manus
ieiunium movens
ut duo papiliones
in de florens fructuosumque viridarium.

circumvolitans, et sine fine,
et avolaverunt, quatiens alas suas
circumfusa nubes infulis tantam,
per gyrum esset.

inter murium Ponticorum et licio,
salire eam lascivibundus pectora,
egressi ex nido
quod duabus avibus attoniti.

Et lumen lucernæ ignis.
lucernæ ignis; Et ubique
et ingenti seditionem
magna extasim, et tacitum.

Et tamquam magicis,
in sonitu oscula multa
sunt voces ubique
ubique et illic velit ...

A gestu ... Et lente,
ab humeris subucula
per corpus, amare labitur
concupiscentiam, et caritate.

Et caudicem recta decoris,
et brachium mollis lineæ
armum et Venustates pectus
ut alba, splendor;

uterus, sicut nix,
clara et firma ventre flectit
itaque, descende, et justus
pube aurea lux in tenebræ.

firmam femur, cadit
inflexæ crura, planta;
quam totum corpus tuum apparet
in speculo ...

Sed mox cum admiratione
spargit per totum thalamos:
cum exercita motu
pilleatum subtrahitur est.

ut opulentam gazam
fila mitterent sagittas!
tui similis aurum nebula
circum, amplectitur et oscula.

extima autem peripheria,
A capite ad calcem; et fluctuum
fundit aliquid rutilae comae
ex earum rotunda forma:

et vehe
oscula unusquisque lineas,
cadit ex dorsum, et expandit
ut a pallam reginam ...

DE VOLTA DO BAILE
OLAVO BILAC, In Poesias (Sarças de Fogo), 1888

Chega do baile. Descansa.
Move a ebúrnea ventarola.
Que aroma de sua trança
Voluptuoso se evola!

Ao vê-la, a alcova deserta
E muda até então, em roda
Sentindo-a, treme, desperta,
E é festa e delírio toda.

Despe-se. O manto primeiro
Retira, as luvas agora,
Agora as jóias, chuveiro
De pedras da cor da aurora.

E pelas pérolas, pelos
Rubins de fogo e diamantes,
Faiscando nos seus cabelos
Como estrelas coruscantes.

Pelos colares em dobras
Enrolados, pelos finos
Braceletes, como cobras
Mordendo os braços divinos,

Pela grinalda de flores,
Pelas sedas que se agitam
Murmurando e as várias cores
Vivas do arco-íris imitam,

Por tudo, as mãos inquietas
Se movem rapidamente,
Como um par de borboletas
Sobre um jardim florescente.

Voando em torno, infinitas,
Precipitadas, vão, soltas,
Revoltas nuvens de fitas,
Nuvens de rendas revoltas.

E, de entre as rendas e o arminho,
Saltam seus seios rosados,
Como de dentro de um ninho
Dois pássaros assustados.

E da lâmpada suspensa
Treme o clarão; e há por tudo
Uma agitação imensa,
Um êxtase imenso e mudo.

E, como que por encanto,
Num longo rumor de beijos,
Há vozes em cada canto
E em cada canto desejos...

Mais um gesto... E, vagarosa,
Dos ombros solta, a camisa
Pelo seu corpo, amorosa
E sensualmente, desliza.

E o tronco altivo e direito,
O braço, a curva macia
Da espádua, o talhe do peito
Que de tão branco irradia;

O ventre que, como a neve,
Firme e alvíssimo se arqueia
E apenas embaixo um leve
Buço dourado sombreia;

A coxa firme, que desce
Curvamente, a perna, o artelho;
Todo o seu corpo aparece
Subitamente no espelho...

Mas logo um deslumbramento
Se espalha na alcova inteira:
Com um rápido movimento
Destouca-se a cabeleira.

Que riquíssimo tesouro
Naqueles fios dardeja!
É como uma nuvem de ouro
Que a envolve, e, em zelos, a beija.

Toda, contorno a contorno,
Da fronte aos pés, cerca-a; e em ondas
Fulvas derrama-se em torno
De suas formas redondas:

E, depois de apaixonada
Beijá-la linha por linha,
Cai-lhe às costas, desdobrada
Como um manto de rainha...