Profusum flumina vndique
Marius quintanam: latitat in tempus [versione libera]
(accommodatae: H.M. de Oliveira)

Ecce, hoc, ut sit
ignota quod funus
et viderunt sub ponte
bonum partis aliquid:

si memor non sum interfeci
si mortuus me per anxietas
vel quidam proiecisti me in pier

- Sacramentum est altior,
    more ...

Vitam vita brevis
- Uerum est, atrox -
me, et miseret,
ut mihi de vobis ...

et sequuntur
in florentissima
illa vetere nostra somnium,
inmortales
- o mysterium perennis -
mihi floridis ambules in,
ignota quod funus
vaga vadit et tardus, trudunt

in omnia flumina in mundo!

Sôbolos rios que vo
Mario Quintana: em Esconderijos do tempo

Olha, eu talvez seja esse
cadáver desconhecido
que avisaram sob uma ponte
com relativo interesse:

nem sei mais se me matei
se morri por distraído
se me atiraram do cais

-- o mistério é mais profundo,
muito mais...

Vida, sonho de um segundo
-- isso é vulgar mas atroz --
e tenho pena de mim
como a que eu tenho de vós...

e sigo
todo florido
destes nossos velhos sonhos
imortais
-- ó mistério tão sem fim --
eu sigo todo florido,
cadáver desconhecido
vogando, lento, à deriva

nos rios todos do mundo!