absentia
Nuno Iudice (Nuno Júdice)

(accommodatio*: H.M. de Oliveira)

dicat unum simplex tibi: absentiam tuam dolet mihi.
non dolorem, dolor id est nocet
quæ intra animam, sed quod relinquit aliqua signa
— pondus in oculis meis, est repositoque imaginem tuam.
— vacuo in manibus meis, quasi manus vestras meam rapuit tactus.

hæ sunt viæ amoris iam scio;
adde quod multiplex potest simplicibus
quando scimus differentia inter somnium et realitatem.
sed somnium mihi memoria tua;
et res me adducit vobis
nunc quod dies celerus currere,
verbaque adhæsit sunt intra refractionis instantia.
cum tua est vocis vocans me ab intus me
- et dicendum sic mihi simplicis
ut dicat simplicem —
absentiam tuam iniuriæ fuerat.

---------
*N.B. rogare purgando ad poeta: a penicullus mutatio

sic:
Quero dizer-te uma coisa simples: a tua
Ausência dói-me. Refiro-me a essa dor que não
Magoa, que se limita à alma; mas que não deixa,
Por isso, de deixar alguns sinais - um peso
Nos olhos, no lugar da tua imagem, e
Um vazio nas mãos, como se as tuas mãos lhes
Tivessem roubado o tacto. São estas as formas
Do amor, podia dizer-te; e acrescentar que
As coisas simples também podem ser complicadas,
Quando nos damos conta da diferença entre o sonho e a realidade.
Porém, é o sonho que me traz a tua memória; e a
Realidade aproxima-me de ti, agora que
Os dias correm mais depressa, e as palavras
Ficam presas numa refracção de instantes,
Quando a tua voz me chama de dentro de
Mim - e me faz responder-te uma coisa simples,
Como dizer que a tua ausência me dói.