nuda
Manuel Languescere [libera versio]
(accommodatio: H.M. de Oliveira)

cum vestis,
nemo credit
Mundi occultare
sub vestimentis tuis.

(sic, in die,
nos nullam ideam
circa sidera lucent
in cælumque profundum.

Sed tempus noctis est nudum,
et in nocte, et nudus
pulsare mundus
per mundi noctem.

coruscam genua,
fulgore umbilicus tuus,
omnibus fulgore
abdominis lyran.

tuæ angustus
- quod duritiam
et fortibus corpus
duæ parva fructus -

luceat). o ubera tua!
papillis tua dura!
tuum est! Latus tuum:
Ah, in humeris vestris,

si nudi sint,
si nuda
oculi tui, et nudus
oculos tuos fit ultra
tardior, magis fluidum.

et in eos
ego fluctuant, natatilibus, salire
in a demerguntur
ad perpendiculum.

et descende profundius
vestræ in profundo, ubi
subridens mihi anima tua
nudus, nuda nuda ...


Manuel Bandeira

Quando estás vestida,
Ninguém imagina
Os mundos que escondes
Sob as tuas roupas.

(Assim, quando é dia,
Não temos noção
Dos astros que luzem
No profundo céu.

Mas a noite é nua,
E, nua na noite,
Palpitam teus mundos
E os mundos da noite.

Brilham teus joelhos,
Brilha o teu umbigo,
Brilha toda a tua
Lira abdominal.

Teus exíguos
- Como na rijeza
Do tronco robusto
Dois frutos pequenos -

Brilham.) Ah, teus seios!
Teus duros mamilos!
Teu dorso! Teus flancos!
Ah, tuas espáduas!

Se nua, teus olhos
Ficam nus também:
Teu olhar, mais longe,
Mais lento, mais líquido.

Então, dentro deles,
Boio, nado, salto
Baixo num mergulho
Perpendicular.

Baixo até o mais fundo
De teu ser, lá onde
Me sorri tu'alma
Nua, nua, nua...